,

Tenho seguro-fiança e não paguei o aluguel; conheça possíveis riscos e consequências

15/08/2023

0
FavoritarFavoritar artigo0

Tenho seguro fiança e não paguei o aluguel, o que pode acontecer? Veja como funciona o acionamento do serviço e consequências.

Publicidade

Tenho seguro fiança e não paguei o aluguel, preciso me preocupar com algo? Este seguro substitui a fiança em contratos de locação.

Com ele o proprietário tem a garantia de que receberá os valores dos aluguéis caso o locatário os atrase. Todavia, seu acionamento também gera prejuízos para o inquilino.

Conheçam, no Guia do Ex-Negativado, as consequências no atraso do aluguel e entenda como funciona o seguro fiança locatícia.

O que acontece se tenho seguro fiança e não paguei o aluguel?

Neste caso, o proprietário do imóvel poderá acionar a seguradora, ou, então, a imobiliária para que esta entre em contato com a seguradora responsável pelo contrato.

Normalmente, a seguradora busca entrar em contato com o inquilino a fim de entender o que aconteceu. Afinal, existem vários motivos pelos quais o atraso de contas pode acontecer.

Paralelamente, a seguradora também analisa e aprova o pagamento do valor do aluguel ao locador. Com isso, garante que ele não terá prejuízos financeiros.

Caso ela ofereça a cobertura para o aluguel atrasado, negociará o ressarcimento dos valores com você, inquilino que está em atraso com a quitação do contrato de locação.

Portanto, ter o seguro fiança não o livra de pagar o aluguel. Ele ainda assim terá de ser pago, agora para a seguradora.

A boa notícia é que a maioria das seguradoras que trabalham com este tipo de seguro oferece boas condições de quitação, como parcelamentos.

Outras consequências

Quem tem seguro fiança e não pagou o aluguel também deve ficar atento a outras questões.

O não pagamento do aluguel, caso se repita, pode levar ao despejo.

A mesma coisa tende a acontecer quando não há restituição ou negociação dos valores em atraso com a seguradora.

Além disso, também é possível que essa situação leve ao ajuizamento de uma ação de cobrança perante a Justiça, bem como à inscrição do devedor em órgãos de restrição de crédito.

Por isso, é crucial que haja a negociação tanto do valor em atraso quanto da restituição à seguradora.

Diante dessas adversidades, a negociação surge como a chave para evitar desdobramentos indesejados.

É importante que o inquilino entre em contato com a seguradora e o proprietário do imóvel, a fim de buscar um entendimento que resolva a situação de maneira satisfatória para ambas as partes.

A disposição para cooperar e encontrar soluções amigáveis pode não apenas preservar a relação entre as partes, mas também evitar entraves legais e danos financeiros mais graves no futuro.

Leia também:

Avatar de Ana Follmann

Assim como Caetano Veloso, sou uma otimista por determinação. Formada em Direito pela UFPR, especializada em Direito do Trabalho e produtora de conteúdo desde 2018 em nichos diversos e que aguçam minha curiosidade. Também tenho Contato profissional que é: [email protected]

Comente abaixo o que você achou do artigo!

Notícias Rápidas

CPF bloqueado por dívida: É possível? Como saber se tenho direito ao PIS? Como saber se meu título de eleitor está regular? Consultar CNIS pelo CPF O que é carta de crédito Financiar veículo pelo CNPJ MEI Auxílio Natalidade CRAS Se eu excluir a Caixinha do Nubank o dinheiro volta? Saque de benefício após falecimento Onde cai o saque-aniversário Saldo bloqueado Caixa Tem Auxílio maternidade para desempregada Como sacar benefício do INSS Documentos necessários para assinar carteira de trabalho Quem recebe Bolsa Família pode fazer empréstimo na Caixa Econômica Conta poupança pode ter pix? Como ganhar livros físicos de graça? Como fazer Cadastro Único? Golpe Boleto! Motivos Demissão Justa Causa